Recanto ao rio

Já não és o rio que eras,
O garrido menino que corria.
Padeces inquieto na melancolia
Que te afligem duras quimeras.
 
Como um indigente na amargura
Que sofre num silêncio fechado
Sonhas em te libertar do pesado
Fardo do martírio da usura.
 
Foi essa ganância inclemente
Que se atreveu em te eivar.
Tu que lavas tanta gente,
Quem te vem a ti lavar?
 
Nesta arbórea margem definho
Com a angústia de um amigo.
E para não chorares sozinho
Choro sozinho contigo.
 
Mesmo sem beleza que se goste,
Que se cante em tom loquaz,
Para mim sempre serás
O rio que sempre foste.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s