A primeira salvação


Sujeita dos olhos tristes, porque sorris
Quando a música deixou de ser a harmonia
Que encanta o coração e o enche de alegria,
Quando a vida já nada te diz?
Olhas nostálgica o firmamento
Onde as estrelas cessaram o brilho.
Lânguida trazes no pensamento
Saudosas memórias de alguém
Que, com carinho, te chamasse mãe
E, com ternura, lhe chamasses filho
No tempo em que ainda eras feliz!
Eu choraria, mas tu sorris.
Que te faz viver, que te faz andar?
Será o amor que tens p’ra dar?
É a força da preserverança,
São a fé e a esperança
Que te fazem alentar.
Sorris bem-aventurada
Pois no pranto foste consolada
E Ele veio p’ra te salvar.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s