Quando a vaca entra

Estava o bode no tasco
A beber vinho dum frasco
E a conversar com a cabra.
Diz o bode, apontando a porta:
-Se por ali entrar uma vaca,
Deixo-vos sem me despedir.
Mostrava-se intrigada a porca
Com o que acabava de ouvir.
O bode então continuou:
-Se a vaca vier, eu vou.
-Quiçá
A vaca não venha e eu não vá.
Quando for assim, vós já sabeis porquê.
-O quê?
Questiona a cabra apreensiva.
Naquele insante
Entra a vaca esbaforida.
O bode sai
E sem se despedir, lá vai.
Sai sem dizer mais nada.
Para trás, ficaram a porca mais a cabra
E a vaca.
Foi uma cena deveras intrigante
No reino da bicharada.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s