Um pote

Aquela mulher parece um pote
Com pernas, curvas num redondo
Perfeito de mãos dadas com um bule.
E anda! Ah! Ah! Caminha! Eh! Eh!
Não rebola como seria de esperar.
Queria ter assim uma panela.
vou pedir à minha mãe, uma como aquela,
Com pernas e forma de bola que vai
A andar. Nem rola nem cai.
Sempre que a vejo passar, bato palmas,
A ela e ao vaso bojudo ao seu lado
Que parece uma pipa sem torneira,
Numa grande e sincera ovação de agrado.
Rio-me! Ah! Ah! Gragalho! Eh! Eh!
Enquanto o pote passa, enche-me de graça
E queria tê-lo para mim.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s