É o progresso

Casas erguidas no meio do nada.
Casas perdidas, casas esquecidas
Nos pantanais.
Desenhos de lidas, pintura de vidas
Coloridos de gente azafamada,
Eram sinais.
Agora ruínas sobejam d’outrora,
Outrora vivendas, escombros d’agora,
Nada mais.
O chão que as semeou chora
O silvado que as cobre e o pomar lá fora,
É sozinho.
Como ir, como chegar lá?
Pastos e erva são o que há,
Sem caminho.
Casas erguidas para lá do trilho,
Além dos campos de milho
E dos arrozais.
Casas esquecidas nos pantanais
Sem pai, sem filho
Sem família que as more.
Entregues aos ditames das fráguas,
Perdidas nas mágoas
Sem o telhado que as cobre
E a vida que lhes deu asas.
São ruínas, já não são casas
No mundo que corre brejeiro,
Mundo farto em excesso.
É o progresso!
E o progresso é querendeiro.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s