Hoje vi-a

Hoje vi-a
Tão amena como o sal
Num tempero de ternura.
Sorria…
Era um manancial
Ao sol do meio-dia,
Uma visão de candura.
Hoje o seu brilho rutilou
Fino como geleia real
Na língua e nos lábios
Que um beijo beijou,
Bela história de velhos sábios.
Hoje vi-a surgida,
Como a vira nunca antes,
Princesa dos desertos de areias quentes
Numa cidade de oiro perdida.
O encanto dos seus olhos
Tornou-se a doce e cálida fragrância
Duma paveia de fresco pasto
E montes de rosas aos molhos,
O desespero da minha ânsia.
Era um olhar tão terno e casto.
A manhã estava a meio,
O rio ia cheio
Da tempestade de ontem.
Passeava na margem,
Respirando a aragem
Pois livre à rua saí
E então a vi
E me prendi.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s