Filho da guerra

Com o seu escolvilhão,
Limpa o cano do mosquete.
Aponta e dispara, o jovem cadete,
Um tiro certeiro no coração.
Abate-se a morte sobre o rapaz
Que cai, sem vida, no chão.
Ouve-se o som ribombante e mordaz
Do uivo rouco e macabro de um canhão
Abafando os gemidos de dor
De quem foge aterrorizado
Às cruéis garras do terror.
Jorra, do corpo, o sangue
Sobre o musgo molhado
E um branco malmequer perdido.
Não tarda, acaba exangue,
Por ali apodrece esquecido,
Entregue à terra,
Quem, outrora, foi alguém.
Ali, agora, é ninguém,
Mais um filho da guerra.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Uma resposta a Filho da guerra

  1. Júlia diz:

    Infelizmente assim é, jovens cheios de vida e ambições vêem-se, de repente, jorrados no chão esperando a morte que; às vezes, custa a chegar.Abraço, Sérgio, e parabéns.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s