Olhar

O olhar transpira emoções
Da alma e da forma do ser.
Traz, das cores, as sensações
E o júbilo da essência dum enternecer.

Olhou, de soslaio, desconfiado.
Um estranho, d’atalaia, espreita
Fomentando a andadura ao medo.
Viu-o, no seu olhar disfarçado,
O seu sorriso azedo.
Não olhava amor mas maleita.

Então tempo, não era mais
E fugir foi palavra de ordem:
Fugiu (mas não antes sem deixar
Atrás um olhar a alguém)
A voar,
Por entre os taipais.

Sobre Sérgio O. Marques

Licenciado em Física/Matemática Aplicada (Astronomia) pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e Mestre em Matemática Aplicada pela mesma instituição, desenvolvo trabalho no PTC (Porto Technical Centre) - Yazaki como Administrador de bases-de-dados. Dentro o meu leque de interesses encontram-se todos os temas afins às disciplinas de Matemática, Física e Astronomia. Porém, como entusiasta, interesso-me por temas relacionados com electrónica, poesia, música e fotografia.
Esta entrada foi publicada em Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s